Os custos da documentação na compra de um imóvel

A compra de um imóvel é um dos acontecimentos mais importantes na vida de qualquer pessoa, não apenas por se tratar de um valor alto, mas principalmente porque, em muitos casos, essa aquisição representa a realização um sonho de consumo.

Afinal, mesmo quando inclui financiamento, consórcio ou uso do FGTS, a compra envolve economias de vários anos, o que é fruto de muito trabalho e um bom planejamento financeiro.

O que muitas pessoas não sabem é que os custos da compra de um imóvel vão muito além de seu preço de venda ou do valor da entrada em caso de parcelamento. Para evitar dívidas ou até mesmo o risco de perder o negócio, é importante incluir no planejamento financeiro os gastos da documentação na compra de um imóvel.

Por isso, se você está pensando em adquirir uma casa ou apartamento, confira alguns dos custos que você deve considerar:

1. Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI)

O ITBI é um tributo municipal cobrado quando há transferência de propriedade de um imóvel, e seu valor varia de acordo com a localização.

Normalmente, a taxa gira em torno de 3% do valor do imóvel, mas em caso de compra pelo SFH (Sistema Financeiro de Habitação), essa porcentagem cai para 0,5%.

Vale lembrar que esse imposto é de responsabilidade do comprador, mas em caso de permuta, é possível dividir o custo com o vendedor.

2. Registro do imóvel

O registro de compra é o documento que possibilita mudar o nome do proprietário em toda a documentação do imóvel. Esse procedimento é feito pelo Cartório de Registro de Imóveis, e o documento incluir o histórico completo da propriedade.

Cada estado cobra um valor diferente por esse serviço, normalmente fixado por faixa de preço do imóvel, girando em torno de 1% do valor do imóvel. Porém, no caso aquisição de primeira moradia pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH), é concedido um desconto de 50% no valor do registro.

3. Escritura

A escritura é parte essencial da documentação na compra de um imóvel e segue a tabela de preços cobrada pelo Tabelionato de Notas de cada estado.

No caso de compras à vista, é possível obter um abatimento de 50% no valor da taxa quando a aquisição for feita pelo SFH e o valor de avaliação do imóvel não exceder 500 mil reais.

Em caso de financiamentos, o contrato de compra do banco é considerado como uma escritura temporária, eliminando essa despesa para o comprador.

4. Seguros obrigatórios

Os seguros são cobrados na porcentagem de 3 a 5% do valor do imóvel, incluídos diretamente nas parcelas do financiamento imobiliário, em caso de compras pelo Sistema Financeiro de Habitação.

Nesses casos, são dois os seguros obrigatórios: um por Morte e Invalidez Permanente, e outro para Danos Físicos ao Imóvel. As taxas variam de acordo com cada instituição financeira, por isso é importante comparar valores antes de fechar o negócio.

5. Taxa de Avaliação do Imóvel

Outra taxa envolvida na documentação na compra de um imóvel é a tarifa cobrada pela instituição financeira para fazer a vistoria completa do imóvel antes da liberação do crédito. O valor pode variar de 2 a 3 mil reais, em média.

6. Certidões Negativas

Ainda que não sejam obrigatórias, as certidões negativas são um investimento importante na hora de comprar um imóvel, pois garantem que não existem débitos relativos à propriedade. Essa providência pode evitar problemas futuros e pode auxiliar na hora da negociação.

Em alguns casos, pode ser cobrado do novo proprietário mais uma taxa, chamada de Sati, que seria referente à assistência técnica e jurídica e gira em torno de 0,88% do valor do imóvel. Porém, essa cobrança é considerada ilegal pela justiça, e os clientes podem procurar um advogado para reaver os valores pagos corrigidos e em dobro.

Agora que você já conhece todas as despesas que terá com a documentação na compra de um imóvel, pode incluir esses valores no seu planejamento financeiro e fazer o melhor negócio!

Se surgiu mais dúvidas, entre em contato conosco!

ofertas da semana | AS MELHORES OPORTUNIDADES